Livro digital. A regra é: experimente

Livro digital. A regra é: experimente

By | 11/05/2015 | 0 Comentários | 2

Artigo sobre Livro Digital publicado no blog da editora “O Fiel Carteiro“.

Vivemos em um mundo de contraposições. Queremos sempre escolher entre uma opção e outra como se vermelho fosse o contrário de verde, ou como se para que a minha opinião tenha valor eu precise apagar e destruir a opinião do outro. Enfim, queremos sempre que um dos lados tenha razão e eliminamos assim o diálogo.

Isso acontece também com livros. De modo especifico com livros digitais.

Sempre que apresento ou falo de e-books as pessoas tendem a responder: “Eu amo o livro de papel”. E daí? Eu também adoro livros de papel e tenho muitos na minha estante, mas isso não me impede de amar também os livros digitais com as vantagens que eles trazem. Não é uma contradição ler nos dois formatos!

Tudo que não conhecemos nos amedronta. Quem nunca leu um livro digital vai continuar achando que é uma péssima escolha, e sempre por motivos que não têm nada a ver com o conteúdo. As pessoas gostam do livro impresso por causa do papel, do formato, do cheiro, do tamanho, do fato de que podem colocá-los na estante de casa e exibirem assim todo seu “conhecimento”, como se comprar livros as deixasse automaticamente mais inteligentes. Mal sabem que para que isso aconteça é preciso LER os livros!

E a leitura, ou seja, a assimilação do conteúdo com toda sua carga de conhecimento, entretenimento e sonhos, pode acontecer quer o livro esteja gravado de maneira fixa em folhas de celulose, quer esteja na tela de algum aparelho tecnológico.

O importante é a leitura, não o suporte.

Eu poderia elencar aqui mil desvantagens do livro digital e mil vantagens. Não será isso que mudará sua opinião sobre eles, aliás, sempre que existe contraposição, as posições (defensor-acusador) tendem a se solidificar, em vez de se comunicar.

O livro digital não se contrapõe ao livro impresso. Não preciso deixar de ler “os Pilares da terra”, com suas 942 páginas, que me faz tanto sofrer quando estou lendo na cama antes de dormir (por causa do peso, não da estória!). Mas o cheirinho das páginas compensa o exercício físico dos braços. Quando, porém, eu estou fora de casa, viajando, ou não tenho acesso à versão impressa, adoro continuar a leitura no meu e-reader de menos de 200 gramas, em que posso ter também todos os outros livros do Ken Follet e dos autores que amo.

Tem livros que nascem para o digital. Nascem já com a facilidade de transporte instalada na alma, e nascem com o objetivo de facilitar o acesso à leitura mesmo quando estou na fila dos Correios e tenho em mãos apenas meu smartphone ultrassofisticado. Além de trocar mensagens com meu grupo de amigos, posso ler e continuar aquele caminho de crescimento que só os bons livros podem me proporcionar.

Na prática? Vocês podem baixar neste link os softwares da Livraria Cultura (Kobo) e ali ter acesso aos livros que desejarem. Caso possuam um iPhone ou iPad, ele já tem tudo o que precisam para ler.

A editora O Fiel Carteiro tem ótimos livros para quem quer experimentar pela primeira vez a leitura no digital: livros breves e bons, que irão proporcionar uma experiência diferente, mas não menos intensa que a leitura em livros impressos.

A regra é: experimente.

Faça você mesmo a sua experiência de leitura e compartilhe aqui nos comentários as dificuldades, dúvidas, descobertas e o prazer que só a leitura de um bom livro pode proporcionar.

ebook, leitura, livro digital, livros impressos

Deixe uma resposta